Life

jan 172017
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

É cada vez mais afirmado que o criador do método Pilates, Joseph Hubertus Pilates foi um homem revolucionário. Venha conhecer a sua metodologia.

 Posted by at 17:34
nov 282016
 

LMF_8693

O pilates não substitui a musculação e vice-versa. Mas quem faz pilates se sente mais bem preparado física e mentalmente para qualquer atividade comum do dia a dia, a prática de esportes, e ainda protegido contra lesões. O pilates valoriza a qualidade do movimento. A técnica confere tônus muscular pois trabalha com exercícios de resistência, com carga, que pode ser o próprio peso, como nas séries no solo, ou a resistência das molas dos aparelhos. Há também pequenos acessórios (elásticos, bolas, bosu etc) que exercem essa função. O pilates visa ao equilíbrio entre o tônus e o alongamento, mantendo a elasticidade e a amplitude dos movimentos. O professor Junior Carvalho, do The Pilates Studio Ipanema, concorda e diz que o pilates deixa o corpo seco e durinho. Mas não espere um tônus de quem pratica treinamento de força.

PREVENÇÃO DE LESÕES

O pilates fortalece a musculatura mais profunda, o core, a área do tronco e da pelve envolvida na estabilização da coluna; que não é o foco da musculação. O core bem trabalhado previne lesões. Para fortalecer e definir o abdômen não é preciso se acabar em séries de dezenas de abdominais. E que poucas repetições com alto grau de qualidade são suficientes para trabalhar essa região.

MELHOR CONCENTRAÇÃO:

É verdade que o pilates treina a concentração. Como os exercícios no solo e nos aparelhos exigem grande concentração, o treino termina sendo bom para o dia a dia e no trabalho.

ALÍVIO DE DORES:

A técnica previne e trata dores, além de corrigir desvios posturais acentuados, como hiperlordose e hipercifose (a corcunda). O indivíduo aprende a corrigir sua postura, a tirar o peso dos calcanhares e da coluna, levando-o mais a frente, mudando seu centro de gravidade para o abdômen. Até mesmo nos casos de hérnia de disco há benefícios, desde que o médico libere. Os praticantes sentem grande alívio de sintomas e ganham mobilidade. Nas situações mais graves, combinam-se outras técnicas de fisioterapia.

BAIXO RISCO:

Apesar do esforço, o pilates tem baixo risco de acidentes e lesões na execução do exercícios. Tanto que ele é indicado para gestantes, pois quase não há impacto nos movimentos e se trabalha muito a musculatura abdominal e pélvica, o que ajuda a preparar para o parto. E após o nascimento do bebê o método ajuda a recuperar e reativar a musculatura. O pilates não tem contra indicações desde que a pessoa esteja apta a praticá-lo. Porém alerta que nem todos se adaptam ao método porque os exercícios são executados lentamente num ambiente tranquilo. O ideal é associar a outras atividades para melhor condicionamento.

 Posted by at 17:34
out 312016
 

sindrome-de-down-4

 

 

 

 

 

 

 

 

 

De acordo com o último censo realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) Cerca de 45 milhões de pessoas possuem alguma deficiência física ou mental no Brasil, dessas estima-se que 300 mil tenham Síndrome de Down, uma prevalência de 1 a cada 600 nascimentos.

E como sempre uma das melhores alternativas de tratamento é a pratica de atividade física, para auxiliar na inclusão social e melhorar o equilíbrio emocional e auxiliar nas deficiências motoras. E como uma alternativa de atividade, o Método Pilates pode ser utilizado como uma alternativa positiva que trabalha o desenvolvimento global na Síndrome de Down.

Nesse texto vamos abordar todos os aspectos relevantes que você como instrutor deve se atentar para um aluno com Síndrome de Down e dicas para montar uma aula com todos os benefícios que o método pode proporcionar para alunos nessa condição.

O Pilates trabalha com exercícios que podem ser adaptados para o desenvolvimento global. Os principais benefícios são:

Trabalho respiratório e fortalecimento do transverso abdominal, pois é de fundamental importância relevar que a presença da anormalidade cromossômica em si, pode aumentar o risco de certas complicações, como a predisposição a comprometimentos respiratórios.

Trabalho de equilíbrio estático e dinâmico, que normalmente é afetado devido a hipotonia muscular e atrasos nos marcos motores. Além disso, o atraso na maturação cerebelar, o tamanho pequeno do cerebelo e tronco cerebral e também o retardo de maturação das vias corticais a partir do córtex motor ocasionam um déficit de equilíbrio importante, podendo persistir até a adolescência das pessoas com Síndrome de Down;

Trabalho de propriocepção e controle postural, pois eles podem apresentar dificuldade para captar as informações sensoriais que determinam a posição do corpo no espaço e a velocidade em que o corpo está se movendo.

Treino de marcha, por meio desse treinamento, a pessoa com síndrome de Down adquire melhor coordenação motora e ritmo para acelerar a sua marcha.

Melhorar a interação com pessoas e ambiente. Na Síndrome de Down pode haver diminuição da interação do indivíduo com o meio ambiente e dificuldades de adaptação social, limitando oportunidades derivadas de experiências sensoriais como visuais, vestibulares, táteis e proprioceptivas.

O Pilates no caso, contribui muito, pois promove liberdade dos movimentos e aumenta a sociabilização, uma vez que representa ser um ambiente agradável e rico em estímulos, onde são realizados exercícios lúdicos que envolvem objetivos terapêuticos, de forma individual ou em grupo.

Em minha opinião é de primordial importância que os profissionais envolvidos com os portadores de Síndrome de Down tenham total conhecimento sobre a síndrome, com o objetivo de fornecer informações precisas e atualizadas, bem como se aprimorarem constantemente no que tange ao tratamento específico multidisciplinar e suporte emocional.

 

FONTE: http://blogpilates.com.br/

 Posted by at 12:11
out 242016
 

20110629151845

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O campo de tratamento da osteopatia é muito amplo pois ele abrange todo o corpo humano. Trata as doenças mais frequentes como: lombalgias, dorsalgias, cervicalgias, escolioses, hérnias discais e torcicolos. Podem ser tratados também entorses, tendinites, epicondilites, síndromes do túnel cárpico, dores nos ombros, problemas da articulação temporo-mandibular (ATM), tensões e contraturas musculares e todos os problemas decorrentes de acidentes de viação, quedas, fraturas ou cirurgias.

Pode ajudar a resolver também enxaquecas, dores de cabeça, problemas digestivos, insônias, depressão, vertigens, labirintites, sinusites, glaucoma, tensão pré-menstrual, obstipação, stress e problemas respiratórios. O osteopata não elimina apenas as consequências do problema, procura sempre desvendar a razão do sintoma para poder curar o doente.

Para isso, e utilizando as mãos como instrumento, recorre a variadas técnicas. Estas são as mais comuns:

– Técnicas estruturais, que visam reajustar uma articulação, mesmo se o seu deslocamento é mínimo e invisível nas radiografias

– Técnicas musculares, que visam o tratamento dos músculos e tendões

– Técnicas cranianas, que são as mais subtis e que permitem tratar a totalidade do corpo partindo do crânio

– Técnicas viscerais que tratam dos órgãos e das relações entre eles

– Técnicas linfáticas e imunitárias, que visam o sistema linfático e o sistema imunitário

– Técnicas fasciais que trabalham sobre os tecidos fasciais do corpo humano

 Posted by at 14:47
out 232016
 

LMF_7520

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A dor e seus mecanismos
Uma das causas de dores na coluna vertebral são os problemas posturais que podem gerar desde desconfortos relativamente leves até lesões mais graves, como as doenças osteoarticulares.

A função muscular tem uma íntima relação com o alinhamento postural e a amplitude de movimento. Dessa forma, um treinamento deve focar o desenvolvimento de uma habilidade comportamental necessária para promover mudanças no conhecimento e no comportamento dos indivíduos em relação aos seus hábitos e à sua saúde.

O método Pilates
Os exercícios do Pilates são caracterizados por movimentos progressivos, tendo como base o controle consciente das ações musculares e estabilização da coluna. Esses exercícios envolvem contrações com ênfase no power house (composto pelos músculos abdominais, transverso abdominal, multífidos e assoalho pélvico), responsável pela estabilização estática e dinâmica do corpo.

Esse método caracteriza-se por movimentos projetados de forma que os executantes mantenham a posição neutra da coluna vertebral, minimizando o recrutamento muscular desnecessário, prevenindo a fadiga precoce e a diminuição da estabilidade corporal. O treinamento com esse método visa melhorar a flexibilidade geral do corpo, a força muscular, a postura e a coordenação da respiração com o movimento, sendo, portanto, esses fatores essenciais no processo de reabilitação postural.

Os benefícios do método
A literatura aponta que o método Pilates tem alguns benefícios que ajudam a prevenir lesões e proporcionar um alívio de dores crônicas. Dentre esses benefícios podemos citar: estimular a circulação, melhorar o condicionamento físico, a flexibilidade, a amplitude muscular, o alinhamento postural, melhorar os níveis de consciência corporal e a coordenação motora.

Os exercícios de Pilates desafiam os sistemas sensoriais responsáveis pelo equilíbrio e controle postural dinâmico (utilizado quando o corpo está em movimento), e os efeitos podem ser provenientes do fortalecimento dos músculos envolvidos no power house.

FONTE: https://www.instpilates.com.br

 Posted by at 13:47
out 142016
 

Existem várias diferenças entre o modo de vida das crianças de ‘antigamente’ para as de hoje. Antes, até mesmo para as brincadeiras era necessário um certo esforço físico — subir em árvores no esconde-esconde, jogar futebol em terrenos baldios, correr em carrinho de rolimã, queimada… Hoje, para a maioria, a diversão é dentro de casa ou apartamento; entenda-se televisão, computador e vídeogame. Sem contar com a agenda corrida de colégio, curso de línguas, educação física, quase sempre carregando bastante peso na mochila. Isso tudo, além de estressar os pequenos ainda gera sequelas na postura, entre outros problemas. Para tratar tudo isso, o Método Pilates pode ser uma poderosa ferramenta.

Mas quando se fala em pilates para crianças, uma das primeiras perguntas a vir nas mentes dos pais é: “Mas não é uma atividade muito puxada para meu filho? Não vai comprometer seu desenvolvimento?”

Segundo os especialistas, é justamente o contrário. O pilates só tem a contribuir para o desenvolvimento das crianças, uma vez que além de fortalecer a musculatura para suportar a carga da mochila, corrige a postura, introduz à disciplina, concentração e ainda serve de canal para extravasar a energia típica da idade.

Segundo a professora Bianca Dore, o pilates pode ser aplicado a partir dos quatro anos de idade, desde que em turmas específicas, só com crianças. Ela explica que os exercícios são aplicados de forma lúdica, como uma brincadeira, com o objetivo de conquistar os pequenos alunos à pratica do método e assim corrigir não só os maus hábitos posturais motivados pelo peso da mochila, mas também pela forma relaxada de sentar diante da tevê, do computador e até mesmo na cadeira escolar.

Na fase entre a infância e a adolescência ocorrem as maiores transformações no nosso corpo, que cresce de forma acelerada, definindo-se. O peso exagerado da mochila escolar e a forma inadequada de sentar-se são umas das principais causas de problemas ortopédicos futuros. O pilates tem sido bastante procurado, pelos pais bem informados sobre o método, por prevenir, minimizar e corrigir desvios posturais através de exercícios que se adequam e respeitam os limites e as necessidades de cada criança.

Luciana Fontes, mãe de Gabriela, de 10 anos de idade, conta que resolveu colocar a filha no pilates por considerar ser a forma mais correta de ela se exercitar sem agredir a musculatura em desenvolvimento — o que, em sua opinião, geralmente acontece em outras atividades físicas.

“Além disso, tem o auxílio direto do professor. Decidi inscrevê-la nas aulas para consertar a postura, pois percebo que às vezes ela fica um pouco relaxada. Ela já fez balé e pratica vôlei no colégio. Tem toda uma herança de arte e exercícios físicos na família”, comenta Luciana.

O fato de ser professora de pilates fez com que Marivani Rocha colocasse seus dois filhos gêmeos, Gabriel e Pedro — hoje com quatro anos de idade — nas aulas do método. E isso já faz dois anos. “Desde cedo procurei fazer os exercícios com eles, pelo menos uma vez por semana. Eles têm muita energia e temos que fazer com que a gastem.”

Marivânia também comenta o fato de as crianças estarem muito mais sujeitas ao sedentarismo. “Hoje tem muito computador. Logo cedo, as crianças já sabem ligar, entrar na internet, visitar sites, jogar. Passam as horas vagas sentadas diante dele. Antes as brincadeiras eram correr, subir em árvores; precisava de mais de esforço físico.”

 

Autor: Isaac Ribeiro repórter
Fonte: http://tribunadonorte.com.br

 Posted by at 13:46
set 122016
 

A mulher engravida e a dúvida vem: posso fazer exercício físico?  É saudável para o bebê? A resposta é sim. E os benefícios de se movimentar durante a gestação vão desde a prevenção de doenças, como diabetes gestacional e pré-eclâmpsia, até maiores chances de o bebê nascer de parto normal.  Mas é preciso calma!

Segundo o ginecologista e obstetra Alexandre Pupo Nogueira, do Hospital Sírio-Libanês (SP), se a grávida não fazia nenhuma atividade física antes de engravidar, agora não é o melhor momento para virar atleta. Mas pode optar por exercícios mais leves, como caminhadas diárias ou hidroginástica.

O ideal, no entanto, é que a mulher que pretende engravidar comece a fazer algum tipo de atividade física aeróbica, a fim de melhorar o condicionamento cardiovascular.

Para se manter ativa na gravidez, selecionamos 10 orientações que vão ajudá-la a se mexer sem correr riscos. Lembre-se que, antes de iniciar qualquer atividade física durante a gestação, é preciso que você tenha o aval do seu médico.

1. Nem só de hidroginástica e ioga vive uma grávida que quer se exercitar. Movimentos aeróbicos e alongamentos em geral estão liberados, desde que não haja nenhuma restrição médica e que um professor a acompanhe;

2. Em relação aos abdominais, há divergência entre os especialistas. Enquanto alguns defendem a prática apenas no início da gestação, outros dizem que é melhor evitar durante os nove meses. O melhor, sempre, é consultar seu médico;

3. Invista em caminhadas e ginástica localizada. Faça de duas a três vezes por semana, de 50 a 60 minutos;

4. Cuidado com exercícios que mantêm você por muito tempo em pé. Esse tipo de atividade física pode dificultar a circulação sanguínea, causando queda de pressão e mal-estar;

5. Outra prática a ser evitada são os steps. Como durante a gestação você está com as articulações mais frouxas, você tem mais riscos de sofrer torções;

6. Fique atenta à intensidade dos exercícios. Se for alta demais, o fluxo sanguíneo no organismo diminui, o que reduz a passagem de nutrientes e oxigênio para o bebê;

7. Em cada trimestre você precisará ter cuidados diferentes. Enquanto no primeiro você pode caminhar 30 minutos sem parar, esse tempo será reduzido conforme os nove meses chegam ao fim;

8. Lembre-se: não importa qual seja a atividade escolhida, os exercícios promovem uma série de benefícios a sua saúde (e do seu bebê). Ajudam a relaxar, controlar a ansiedade, reduzir o inchaço e as dores musculares (principalmente na região lombar), além de auxiliar no controle arterial;

9. No pós-parto, os exercícios contribuem para que você se restabeleça mais rapidamente, além de melhorar seu humor e, consequentemente, fazer com que você se sinta mais bonita.

10. Não é apenas você que ganha com a atividade física. Um estudo recente sugere que atividades durante a gestação contribuem para o desenvolvimento do sistema nervoso do bebê.

Fonte: Valéria dos Santos Almeida, professora de educação física e uma das idealizadoras do Método Gerar, programa de exercícios físicos para gestantes

Pilates 35

 Posted by at 16:03
jun 082016
 

O Pilates é um método de exercício físico e alongamento que utiliza o peso do próprio corpo na sua execução. É uma técnica de reeducação do movimento que visa trabalhar o corpo todo, trazendo equilíbrio muscular e mental.

Ele trabalha vários grupos musculares ao mesmo tempo, através de movimentos suaves e contínuos, com ênfase na concentração, no fortalecimento e na estabilização dos músculos centrais do corpo (abdômen, coluna e pelve).

O Pilates mistura um treino de força e flexibilidade que ajuda a melhorar a postura, alongar e tonificar os músculos sem exageros. Os exercícios focam na qualidade dos movimentos, ao invés da quantidade, deixando o praticante revigorado após a prática. Todo o método está baseado em seis princípios que pretendem devolver ao homem uma movimentação mais espontânea e consciente: o centro de força (core), a concentração, o controle, a fluidez de movimento, a precisão e a respiração.

A técnica prioriza o equilíbrio, assim nenhum grupo muscular fica sobrecarregado e o corpo trabalha de forma mais eficiente qualquer movimento, desde atividades do dia a dia até a prática esportiva. Os exercícios de Pilates podem ser feitos no solo, com o auxílio de acessórios, ou em equipamentos, como o “Reformer”, o “Cadillac” e a “Chair”.

 

QUAIS OS BENEFÍCIOS DO PILATES?

• Alongar, tonificar e definir a musculatura sem exageros;
• Melhorar a postura;
• Tonificar a musculatura profunda do abdômen;
• Trabalhar a percepção do corpo e da mente;
• Prevenir e recuperar lesões;
• Reduzir o “stress” e aliviar as tensões;
• Deixar sua coluna mais forte e flexível;
• Melhorar a área de movimento das articulações;
• Melhora a circulação sanguínea;
• Aumentar a coordenação e o equilíbrio;
• Corrigir sobrecargas e alinhar os músculos;
• Melhorar a mobilidade e a agilidade;
• Complementar o seu treino esportivo;
• Melhorar o visual de seu corpo e a sua auto-estima.

 Posted by at 13:50
jun 022016
 
LMF_3976
Hoje vamos falar de uma articulação que está entre as de maior queixa de dor, relacionada a alterações estruturais ou lesões.
Podemos dizer que a coluna vertebral envolve componente estrutural (ósseo), componente dinâmico (músculos, ligamentos e disco intervertebral) e componente neural (medula e nervos). A integração entre estes componentes é capaz de gerar estabilidade e movimento a esta articulação através da manutenção da lordose fisiológica e sua capacidade de movimentos em diferentes planos.
A coluna lombar realiza movimento no plano sagital (flexão e extensão), plano frontal (flexão lateral) e plano transversal (rotações).
Responsável por gerar estabilidade e mobilidade, a coluna lombar tem função primordial de gerar estabilidade e a partir de então proporcionar movimento através de uma base estável que deverá se anteceder a qualquer movimento através do controle neuromuscular.
Alterações estruturais podem levar a retificação da coluna lombar, hiperlordose e escoliose, alterando assim a capacidade funcional desta articulação e consequentemente fazendo com que outras articulações trabalhem mais em casos de hipomobilidade da coluna lombar ou trabalhe menos em casos de hipermobilidade, como mecanismo de compensação.
As lesões mais frequentes nesta articulação são as hérnias de disco, osteófitos, espondilolise e espondilolistese, que também poderão influenciar na capacidade funcional da coluna lombar, assim como em outras articulações como quadril, joelho e tornozelo, devido as lesões que comprimem as raízes nervosas lombares.
Fonte: http://revistapilates.com.br/2016/05/20/funcionalidade-da-coluna-lombar/
 Posted by at 19:53